0

Poligamia

Abril 17th, 2016
بسم الله الرحمن الرحيم Em nome de Allah, O clemente o Misericordioso ...
0

Ramadan 2017

Abril 17th, 2016
  بسم الله الرحمن الرحيم Em nome de Allah, O clemente o ...
0

A liberdade religiosa no Islam

Abril 17th, 2016
بسم الله الرحمن الرحيم Em nome de Allah, O clemente o Misericordioso ...
0

A consciência no Islam

Abril 17th, 2016
بسم الله الرحمن الرحيم Em nome de Allah, O clemente o Misericordioso ...
0

Aborto

Abril 12th, 2016
بسم الله الرحمن الرحيم Em nome de Allah, O clemente o Misericordioso ...
0

O Alcorão

Abril 12th, 2016
بسم الله الرحمن الرحيم Em nome de Allah, O clemente o Misericordioso ...
0

O espírito de tolerância no Islam

Abril 12th, 2016
بسم الله الرحمن الرحيم Em nome de Allah, O clemente o Misericordioso ...

O Conceito do Islam sobre Jihad

17 Abril 2016 Autor:  

بسم الله الرحمن الرحيم 
Em nome de Allah, O clemente o Misericordioso

Um dos conceitos errôneos nas visões periférica é como visto o Jihad no Islam. Essa visão negativa aplicada no dispositivo do Jihad dentro dos argumentos islâmicos, não só reside somente nos não-muçulmanos, mas sim, também dentro de uma parte dos integrantes do núcleo islâmico.

Assim vimos, que uma parte dos integrantes dentro do núcleo, qualquer ataque feito por um muçulmano, por qualquer razão que seja, é qualificado de JIHAD. Todavia a aplicação negativa do mau uso da grafia, faz com a pessoa se confunde do verdadeiro significado e o sentido de literário da palavra JIHAD.

O Conceito do Islam sobre Jihad e o Terrorismo

 

Um dos conceitos errôneos nas visões periférica é como visto o Jihad no Islam. Essa visão negativa aplicada no dispositivo do Jihad dentro dos argumentos islâmicos, não só reside somente nos não-muçulmanos, mas sim, também dentro de uma parte dos integrantes do núcleo islâmico.

Assim vimos, que uma parte dos integrantes dentro do núcleo, qualquer ataque feito por um muçulmano, por qualquer razão que seja, é qualificado de JIHAD. Todavia a aplicação negativa do mau uso da grafia, faz com a pessoa se confunde do verdadeiro significado e o sentido de literário da palavra JIHAD.

A condição do viver como seres humanos, é composta de fatos negativos e positivos, sempre que o sol ilumina o solo sinalizando o amanhecer, entardecer a todos os dias que antecede ao anoitecer, todos os minutos e segundos, somos questionados e testados sobre tais coisas. As tais coisas pode-se optadas pelo certo ou pelo errado, sendo que a decisão não tem outro autor a não ser o próprio ser humano. Muitas vezes, na hora da escolha somos agressivos e truculentos, impondo aos demais nossa decisão, antes de esperar que tal atitude não fosse questionada pelos que presenciarão.

Se houve-se uma parte paciente a esperar que uma parte ratificassem a decisão, a esperar primeiro a concordância exclusiva de forma tácita ou expressa e por fim decidir, sem impor nada aos outros e sem forçar qualquer concordância dos mesmos, ter-se-iam ponderado qual atitude melhor que demostra a verdadeira crença existente que cultua dentro do gênero humano. Pois não cabe a um ser humano, ou uma instituição criada pelo gênero humano, grupos organizados, ou classes aplicadas, dizer que está certo ou errado, mas sim qual atitude melhor que demostra a verdadeira crença existente nos corações dos gêneros humanos.

Nenhuma instituição, de caráter, cientifica, filosófica, sociológica, política, econômica e religiosa, seu alicerce se resume “Má estar neste mundo” todos estão unanimes “bem estar neste mundo” Isso é o mesmo que encontramos no Islam, seus argumentos a garantir o bem-estar neste mundo e bem – estar no outro individualmente e coletivamente se distinção. Não satisfazendo aos extremistas de qualquer escola, seja a dos ultra- espiritualistas ou a dos ultra materialistas, a colocar o gênero humano de forma unitária, pois perante o Islam, nenhuma nação deve ser deixado à margem por motivo de seus argumentos filosóficos, políticos e econômicos. Assim o profeta Muhammad, disse: “Toda as criaturas de Deus, (São como fosse) a Sua família, e o mais amado por Deus é aquele que tenta fazer o maior bem às criaturas de Deus” O Islam, rejeita todos os critérios falsos de superioridades baseado em raças, nacionalidades, cor ou língua e torna a probidade e a boa conduta nas únicas marcas de superioridades diante Deus. Pois os seres humanos constituem distinto órgão de um mesmo corpo. Muito além da biologia ou psicologia, a compreensão dos seres humanos requer uma visão filosófico e reflexivo do homem e sua identidade. Assim Deus, crio o ser humano com sua própria mão e o fez imagens semelhantes e nele sobrou o espirito, que identifica o gênero humano ter a única identidade.

A mão de Deus, concede a história do gênero humano, a sua vontade, sua liberdade e a sua escolha

A imagem única- a dota a cultura, espiritualidade e a liberdade

Ruh- Espirito – nos dá a vida e vitalidade.

Isso evidencia, que os gênero humano deve, portanto cultivar conjuntamente o amor, a honestidade, a paciência e a perseverança.  Assim o profeta Muhammad, disse: “Ó seres humanos!  Vosso Senhor é único e todos vocês são de filhos de Adão. Adão veio de pó, assim não há preferência do árabe sobre o não árabe nem vermelho sobre o branco, nem o branco sobre o preto a não ser pela sua fé”.

Portanto, JIHAD, é um ato praticado para garantir a união e, o bem – estar do gênero humano.

 

DEFINIÇÃO DA PALAVRA JIHAD

 

Jihad, vem da palavra Árabe (JAHADA) que significa “esforçar-se ou sacrificar-se”. Na terminologia islâmica significa; esforço que garante o lucro de quem praticar, gerando beneficios doradouros para os demais. Assim o profeta Muhammad disse: o melhor dos homens é aquele que faz o bem aos outros. Nesse caso quem se esforçar para beneficiar alguém, o ato em curso, islamicamente se difine ao Jihad. Na linguagem laico defini-se do Heroismo. Bombeiros, Agente do SAMU, Policias, Educador etc. Pois o autor se esforça, se sacrifica para ajudar alguém em troca do nada. Mesmo com os salarios remuneraveis, pois ninguém tem com explicar o valor de uma vida salva pelos agentes acima mencionados.

É melhor que deixeis para trás, vossos parentes bem providos, do que se vejam obrigados a pedir esmola a outrem.

Islam naõ admite que o homem pare de trabalhar e se transforme num parasita; pelo contrario, cada um deve usar todos os dons e talentos  que possuir para desfrutar dos frutos da criação de Deus,e adquirir tantos quantos possiveis; o que exceder as proprias necessidades pode ser destinado à ajuda daqueles que carecem do essencial.

No mundo real e não imaginario, nenhum sacrificio é feito a beneficio de Deus, assim ve-se todo o sacrificio, esforço oferecido a Deus, tem como objetivo ao beneficio do proprio ser humano.

É Jihad, todo ato feito pelo arrimo de família em procura de provisão para seus dependentes;

É Jihad, todo o procurador do conhecimento;

É Jihad Lutar pela causa do bem estar da sociedade;

É Jihad todo o suor e tempo gasto para o bem estar da pessoal, individual ou coletiva;

É jihad, o papel de toda gestante que espera seus bebes;

É jihad o gesto e a atividade prestada pela a ama de leite

E o maior Jihad é esforçar pela causa da verdade a Deus, mas não há lugar para forçar alguém a aceitar a religião que um professa. Assim vem escrito no Alcorão Sagrado: “Não há compulsão na religião...”, C.2 Versículo 256.

Algumas pessoas traduzem a palavra JIHAD para “GUERRA SANTA”. A palavra guerra santa, se traduzida para Árabe, ela será (HARBUN MUQADDASSAH) e este termo não existe em nenhum lugar, tanto no Alcorão como nos ditos do profeta.

Conforme mencionado em resumo que A palavra “Islam” deriva da raíz da palavra árabe (SALÁMO ou SILM), que significa ‘Paz, segurança’. Também deriva do verbo (ASSLAMA), que significa ‘render-se, submeter-se, entregar-se’. Em resumo, Islam significa: “Submeter-se à vontade do criador dos céus e da terra, com obediência e paz”.

Mais de 26% da população mundial são muçulmanos. Mas, infelizmente, o Islam é a religião com maior número de concepções errôneas.  Se as pessoas têm entendimento errado sobre o mesmo, o Islam é a primeira, apesar de ser a religião que mais cresce no mundo, assim conforme aplicado.

Estas más concepcões estão cada vez mais crescendo, especialmente, depois dos atentados de 11 de Setembro de 2001, mesmo sabendo-se que esses atentados não tenham sido obra de muçulmanos. E hoje, a concepção errônea número um do Islam é o “Terrorismo e Jihad no Islam”.

Sempre que alguém ouve falar de muçulmanos, começa a pensar de terrorista (homem-bomba) ou fundamentalista.

O que significa a palavra fundamentalista?

“Fundamentalista é o indeviduo que adere os fundamentos de um caso particular”. Por exemplo: se um médico quer ser um bom no campo da medicina, ele deve saber, seguir e praticar os fundamentos da medicina, pois se ele não for fundamentalista, ele não será bom médico. O mesmo se aplica com cristão, judeu etc. Ele deve ser fundamentalista, caso não, ele não será bom, quer no Cristianismo ou no Judaísmo.

Se você for ler a palavra “fundamentalismo” no dicionário de Oxford (nas primeiras edições), vai encontrar que esta palavra foi, primeiramente, usada para descrever um grupo de cristãos americanos, chamados “cristãos protestantes”, quando estes se opuseram da Igreja nos princípios da primeira parte do século 20. Mas na nova edição (a edição revisada de Oxford), a definição já mudou. Eles dizem que: “Fundamentalista” é um indeviduo que, estritamente, adere a antiga doutrina de qualquer religião, especialmente o Islam.

De momento, quando você ouve a palavra fundamentalista, logo você pensa de um muçulmano, de que ele é um terrorista.

Qual é o significado da palavra “terrorista”?

É muito difícil definir a palavra “Terrorismo”. Há várias e diferentes definições, e as vezes discordam, de acordo com a localização geográfica ou fato histórico.  De acordo com o “Dic Michaelis”, Terrorismo é: ‘Conjunto de ações violentas contra o poder estabelecido, cometidas por grupos revolucionários’.

Portanto, “Terrorista” é a pessoa que tem o caráter de terrorismo. Por exemplo: quando um ladrão vê um policial, ele fica com terror. Então, para o ladrão policial é terrorista. Você não pode atribuir os fundamentalistas ou terroristas o mesmo preço. Dependendo do campo em que cada um se encontra, você poderá atribuir-lhe o seu mercê.

 Podemos pegar, muito rapidamente, o exemplo de Nelson Mandela; ele foi considerado pelo “governo de aparteite” como um terrorista. Razão pela qual ele foi capturado e preso na cadeia de Roben Island, por mais de 25 anos. Mas a mesma pessoa, para os indígenas sul africanos, ele era um heroi. Então, se a pele branca faz alguem superior a um preto, Nelson Mandela foi um terrorista. Mas se for como o ponto de vista dos indígenas sul africanos, que a pele branca não torna alguém superior, mas sim ela serve para distinção, então os promotores de aparteite, eles, são os terroristas. O Alcorão menciona no Capítulo Al-Hujrát 49:13, que A carecterisca de superioridade da parte de Deus é devoção e não pele, riqueza ou belesa. O profeta Muhammad disse, no seu último sermão, narrado por Ahmad, Hadith, número 22391 e Baihaqi, Hadith número 4921 que: “Nenhum árabe é superior que o não árabe e vice-versa, e nem o branco é melhor que o preto e vice-versa, a não ser pela devoção”.

Nenhum artigo do Islam é contra os princípios sociais. Obviamente, é possível que hajam algumas pessoas que considerem alguns ensinamentos do Islam como sendo contra a humanidade. Mas desde o momento em que você usa a sua lógica rasoável, e depois de uma explicação adequada das estatísticas legais do mundo ter sido dada, ninguém poderá apontar um artigo fundamental do Islam como sendo contra a humanidade em geral.

O termo “terrorista” foi inicialmente usado em 1790, durante a revolução francesa, pelo Edwin, chefe do estado britânico na época, para descrever os “Jacobinos” que governavam o rigime francês. Os anos 1793 e 1794 são designados “reino de terror/ anos de terror”. Maximilien, que era líder deste governo, já tinha morto milhares de pessoas. Os registros históricos mencionam que ele (Maximilien) havia detido mais de 500.000 pessoas, tendo executado 40.000 delas. Mais de 200.000 pessoas foram deportadas, e outras mais de 200.000 foram castigada, torturadas e mortas nas prisões.

Hoje temos a Mídia Internacional controlada pelo Ocidente. Existe um termo comum que tem sido repetido várias vezes pela Mídia ocidental e seus simpatizantes. Esse termo é: “Todos os muçulmanos não são terroristas, mas todos os terroristas são muçulmanos”.

Vamos analisar os registros históricos e dados existentes hoje no mundo, o que têm para nos dizer. Se olharmos para o século 19, difícilmente encontraremos registros de “ataque terrorista” feito pelos muçulmanos.

  1. Em 1881 Tsar Alexander II foi assassinado na Rússia. Ele viajava em um transporte chamado “boltruf”, na Avenida Saint Petersburg. Houve uma explosão que tinha vitimado 21 inocentes. Uma outra explosão foi feita atravez da qual ele foi vítima também. Ele não foi morto por um muçulmano, foi morto por Ignacy, que era anarquista.
  2. Houve uma explosão em 1886 no Haymarket, em Chicago durante o rali de trabalho no qual 12 inocentes foram mortos, entre eles um agenta da polícia chamado Dijen. Mais tarde, 70 polícias que estavam feridos morreram no hospital. Os responsáveis deste ato não eram muçulmanos, eram 8 anarquistas, não-muçulmanos.

 

Ataques terroristas do século 20:

  1. Quando analisamos os registros de ataques terroristas que tiveram lugar no século 20, sabemos que em 6 de Setembro de 1901, o presidente dos EUA, William Mckinley, foi assassinado por um anarquista chamado Leon Czolgosz que atirou duas vezes nele. Ele não era muçulmano.
  2. Em 1 de Outubro de 1910 houve uma explosão no edifício do jornal “Times”, de Los Angeles, que vitimou 21 inocents. Os responsáveis desta explosão eram dois cristãos “James e Joseph”, eles eram líderes da união, eles não eram muçulmanos.

 

  1. O famoso ataque da cidade de Oklahoma que teve lugar no dia 19 de Abril de 1995, em que um caminhão cheio de explosivos entrou num edifício federal de Oklahoma, matando 166 indivíduos e 100 feridos. Inicialmente a imprensa internacional colocava o termo “Conspiração do Oriente Médio”, por muitos dias. Mais tarde descobriram que os culpados eram dois ativistas cristãos de nome Timothy e Terry. Esta informação não durou muito e desapareceu, mas antes o termo “Conspiração do Oriente Médio” havia permanecido por muitos dias, do mesmo jeito que fizeram com os atentados dos 11 de Setembro de 2001, culpando Bin Laden. Mas agora, depois que a CIA descobriu que foi um trabalho interno, o resultado passa na internete e nenhum canal já anunciou até agora. Mas a evidência existe ainda para os brasileiros no site: (www.verdadeoculta.com.br).

 

  1. Apartir de 1941 até 1948 259 ataques terroristas foram feitas pelos terroristas judeus de várias organizações, IGNUN entre outras.

 

  1. Em 22 de Julho de 1946 Menachem Begin liderou uma explosão contra hotel “King David” emJerusalém, na altura a central administrativa e militar dos britânicos no Mandato Britânico da Palestina causando a morte de 91 indivíduos entre eles 28 britânicos. Usaram vestes árabes para parecer que são muçulmanos. Este foi o primeiro maior atentado na história do mandato britânico em que begin foi denominado terrorista número um, pelo governo britânico. Begin tornou-se primeiro ministro de Israel em Maio de 1977, no ano a seguir recebeu o prémio nobel da paz, imagina só. E todos terroristas judeus mais tarde foram líderes e primeiro ministros do Israel. Hoje eles mesmos chamam os palestinos de terroristas, e todo o mundo está ao lado deles contra os palestinos. Se você olhar para o mapa do mundo, Israel antes de 1945 não existia. Hitler matou 6000.000 de judeus e o resto expulsou da Alemanha e refugiaram-se na palestina. Os palestinos os receberam com mãos abertas. Mais tarde eles arrancaram a terra e quando os palestinos pedem a terra de volta são chamados de terroristas.

 

  1. O assassino número um no mundo é o Hitler, que matou 6000.000 de pessoas e ele era cristão, mas ninguém atribui ações dele ao Cristianismo, porque não foi a Bíblia que ordenou a ele que matasse os judeus.

 

  1. O colonialismo da África, Ásia e América; os négros existentes no Brasil, sofrendo discriminação até nos dias de hoje, não foram os muçulmanos que escravizaram eles. Foram seguidores do Cristianismo, com apoio dos líderes da Igreja. Mas ninguém atribui isso ao Cristianismo, porque estas pessoas, certamente, não representavam o Cristianismo.

 

  1. Invasão do Vietnã, Grenada, Panama, Somália, Haiti, Bosnia, Sérvia, Afganistão e Iraque não foi feita pelos muçulmanos, mas sim pelos seguidores do Cristianismo. Mas, denovo eles não representam Cristo.

O terrorismo não é monopólio islâmico, nem pertence a nenhuma religião, mas sim ele é ferramenta dos políticos. O Alcorão diz: “...quem mata uma pessoa, sem que esta tenha morto outra ou semeado corrupção na terra, será como se matasse todos os humanos. E quem salvar uma vida será como se desse a vida a todos os humanos...”. Portanto, o Islam não encoraja violência. Porém, depara-se que os opositores (do Islam) chegam a pregar que o Islam foi propagado com espada, mas a palavra “espada” não é mencionada em nunhum lugar, tanto no Alcorão como nos ditos do profeta Muhammad.

Com isso, não significa que nas comunidades islâmicas não haja corruptos ou terroristas, como qualquer outra comunidade, mas eles não são o Islam ou Cristianismo ou Judaísmo.

0 Comentário 613 Visualizações
Islam Sul BR

Email This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Deixe seu comentário

Instituição Religiosa, para passar as informações ao público que pertence religião e aos curiosos, buscando dar mais informações de forma laica e democrática.

Mais sobre nós